FBC, Rico Dalasam e Lucas Santtana: novos artistas Let’s GIG



Agora é pra valer: a retomada dos shows e festivais presenciais está vindo com força e, com esse agito todo, temos o prazer de anunciar três novos artistas que admiramos muito e que agora fazem parte do nosso roster de agenciamento!


Nosso trabalho tem uma etapa inicial de curadoria: de tempos em tempos, fechamos parcerias com artistas que dialogam com nossos valores e que estão buscando novas formas de expandir os horizontes relacionados ao mercado dos shows.


Vem cá conhecer um pouco sobre quem está chegando no nosso time: FBC, Rico Dalasam e Lucas Santtana.



FBC



Criado nas batalhas de rima de Belo Horizonte, FBC é um artista com 16 anos de vivência no hip hop. Fundou a célebre DV Tribo junto com Djonga, Clara Lima, Coyote Beatz, Hot e Oreia.

Alcançou o disco de ouro com o álbum “PADRIM”, produzido em 2019 pelo multi instrumentista Go Dassisti.

Em 2021, ao lado do beatmaker VHOOR, lançou o aclamado álbum "BAILE", que retrata a década de 90 quando os raps e melôs evidenciavam o cotidiano dos subúrbios, e o ritmo se inspira no Miami Bass.



RICO DALASAM



Lançou seu disco de estreia "Orunga" em 2016, cujo título faz referência às palavras "orgulho, negro e gay".

Em 2021, lançou "Dolores Dala guardião do alívio", e traz nas letras temas como a afetividade negra e LGBTQ+, racismo, neocolonialismo e desigualdade social. Produzido por Rico, o disco conta com a participação de artistas como Mahal Pita, Chibatinha (do ÀTTØØXXÁ) e Pedrowl. Com os pés aterrados no rap, R&B, e hip hop, absorve partículas do pagode, funk e pop.



LUCAS SANTTANA



"Há dez anos, Lucas fez um álbum essencial à discografia daquela que era então chamada de 'a nova geração da música brasileira'. 'Sem Nostalgia' (2009), hoje um clássico, abria novos caminhos para a relação, já tão explorada, entre a música feita em nosso país e seu instrumento essencial, o violão.


Uma década depois, Lucas retorna a esse universo, por outro viés, em 'O Céu É Velho Há Muito Tempo', eleito um dos 25 melhores álbuns brasileiros do segundo semestre de 2019 pela Associação Paulista de Críticos de Arte."

Trecho do release por Marcus Preto