top of page

Saiu o EP Melows em Casa dos Caramelows!

Cada pessoa ou grupo tem seu modo de lidar com a quarentena, para a banda paulista Caramelows a maneira foi continuar criando. O grupo, que se notabilizou pela pluralidade de seu som e pelas colaborações artísticas, se uniram em canções inspiradas pelas sonoridades africanas, ibéricas e mouras no EP Melows em Casa, lançado hoje (9), e gravado com equipamentos reduzidos por cada integrante em sua residência. A ilustração da capa do trabalho foi feita pelas filhas do pianista Fernando TRZ, Luísa (9) e Amanda (6).


“A ideia é compartilhar com o público nosso processo criativo durante a quarentena. No isolamento, pela primeira vez em cinco anos nos vimos separados. Apesar disso, segue forte nosso impulso de criar”, conta o baterista Péricles Zuanon.


Conhecidos por integrarem e produzirem o projeto musical ao lado da cantora e compositora Liniker Barros, a banda tem em sua discografia o EP Cru (2015) e os discos Remonta (2016) e Goela Abaixo (2019) como Liniker e os Caramelows - este último, indicado ao Grammy Latino - e um EP homônimo solo, explorando sons da música latina, ritmos regionais brasileiros e world music.


Destaque no mundo todo, os Caramelows já se apresentaram em festivais como o WOMAD, Lollapalooza Brasil, WOMEX, Rock in Rio, SXSW, Reeperbahn, Glastonbury e muitos outros, além de programas e web shows (Tiny Desk, Furious Sessions), bem como casas de shows por todo o lado, muitas vezes dividindo o palco ou estúdio com artistas tão diversos quanto Elza Soares, Criolo, Ziggy Marley, Metá Metá e muitos outros.

Atualmente o grupo prepara uma série de lançamentos, como a já lançada “Siente el calor”, com a espanhola Indee Styla, parcerias com a banda paranaense Mulamba, a artista moçambicana Selma Uamusse, além de muitas surpresas.


Sobre as faixas, “a letra de ‘Tempestade’ surgiu de um haikai que escrevi. É sobre a necessidade de colocar coisas para fora, mas também sobre pessoas que passam por nossa vida e levam coisas, mas que jamais conseguirão roubar nossa alma. Já ‘Salif Berry’ fala de situações que gostaríamos de esconder, sem saber que na verdade muita gente está passando pelo mesmo. É também sobre nos apegarmos a rotinas que muitas vezes nos fazem mal. Para essa música criei um personagem tenso em contraste à alegria que permeia o arranjo criado”, conta Renata Éssis.


“Manaia” é a única instrumental deste trabalho. Foi composta e arranjada logo que voltaram da turnê com Liniker e os Caramelows pela Oceania. Na cultura maori, Manaia é um ser mitológico, mistura de pássaro, peixe e humano. A crença diz que é um mensageiro entre o mundo terrestre dos mortais e o mundo dos espíritos.“Para nós, a nossa ‘Manaia’ significa a leveza e a conciliação tão necessárias na realidade”, reflete Zuanon.



Ficha técnica

Produção musical: Eder Araújo, Fernando TRZ, Marja Lenski, Péricles Zuanon, Renata Éssis, William Zaharanszki e Rafael Barone I Caramelows

Mixagem: Rafael Barone

Masterização: Igor Ferreira

Arranjo de sopros: Eder Araújo

Produção executiva: Gabriela Pompermeyer, Ricardo Rodrigues, Eduardo Porto e Fernanda Martucci | Let’s GIG

Arte: Luísa Santos Falcoski e Amanda Santos Falcoski

コメント


bottom of page